EM VOLTA DO TEMPO|PINACOTECA FÓRUM DAS ARTES-BOTUCATU

Em volta do tempo.

 

As cores vigorosas e a gestualidade que percorrem a superfície da tela, são características mar- cantes da pesquisa pictórica da artista Renata Egreja, onde junto à plasticidade do escorrer da tinta, das transparências, contrastes e sobreposição de cores, surgem cada vez mais temáticas ligadas ao ambiente rural, seja pelos os tons do entardecer na paisagem ou pela presença de formas vegetais que vêm se acentuando com o tempo e o contato com o campo.

Durante o mestrado na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts em Paris, a artista estudou o movimento francês Support-Surface que recusava qualquer tipo de ilusionismos na arte enten- dendo a pintura como uma superfície tingida sobre um suporte. Interessada na materialidade da tela, Renata identifica no seu trabalho pontos comuns com o grupo, mas ao invés de seguir um percurso minimalista e racional opta por criar ambientes radiantes, numa pintura de ação que possa transformar positivamente a vitalidade do espaço.

De volta ao Brasil, na fazenda de Ipaussu onde cresceu, volta também ao tempo da casa materna e reencontra-se com a história das mulheres da sua família, que desvelam disputas por exercer seus direitos, demarcar território e expandir a sua presença numa sociedade patriarcal, que exer- ce o seu poder restringindo a atuação feminina ao ambiente doméstico.

No átrio da Pinacoteca, a mesa está posta: uma toalha bordada com frases extraídas do caderno de poemas de sua bisavó e um conjunto de cerâmicas são distribuídas sobre a mesa. Elementos tradicionalmente associados ao feminino, que aqui reivindicam espaço para outra existência. A plasticidade cromática que encontramos nesta incursão pela cerâmica é uma presença constante no trabalho da artista, que faz uso de formas simples e gestuais, muito próximas do jogo orna- mental já evidente na sua pintura. Os utensílios e os objetos de uso doméstico fazem parte de uma abordagem constante da sua pesquisa, diluindo as diferenças entre arte e artesanato ou arte e design, que estão entre tantas outras categorias hierarquizantes do pensamento estético oci- dental. Orgânico e doméstico, geralmente condicionados à esfera da intimidade e do anonimato, são aqui reivindicados como espaço de fala, lugar para a expressão e condição para a vida se mostrar presente.

 

                                                                                                               Outubro de 2021.

                                                                                                                       Celia Barros